“Psicologia como ciência.”

 

PSICÓLOGO CLÍNICO

A psicologia clínica deve representar a modalidade de tratamento que primeiro trará luz sobre a dimensão exata da dificuldade individual, limitações e possibilidades de tratamento para o usuário, dependente e/ou sua família.

 

Um bom psicólogo clínico, independente da gravidade da situação, oferece aconselhamento, diagnóstico de uso e desta forma consegue, com melhores resultados, o encaminhamento e direcionamento de ações e decisões, tanto para o paciente quanto familiares.

 

A psicologia clínica permite que o indivíduo possa iniciar uma mudança significativa de vida sem precisar interromper outras atividades fundamentais, como trabalho, estudo ou convívio e relacionamento familiar.

 

Durante o período de tratamento estratégias deverão ser pensadas para que todos os interessados nesta modalidade estejam cientes das possibilidades, etapas, atentos a evolução, seguros e aptos a tomarem decisões orientadas e apoiadas por um Especialista da área de Dependência Química.

 

Vale lembrar que a "dependência" não é a única relação de um indivíduo com uma ou mais substâncias.

 

Investir em informação, manejo e prevenção em tratamentos realizados em ambiente ambulatorial é inteligente, corajoso, honesto e "mais barato" que uma internação.

 

A antiga crença de que apenas uma internação pode ser a solução para um "problema com drogas" ainda é muito reforçada pela falta de informação e conhecimento sobre outras opções e modalidades de tratamento.

 

É importante lembrar que dependência química, na maioria das vezes, está acompanhada de outros  diagnósticos que se não tratados, podem inviabilizar um tratamento.

 

Acolher, identificar, planejar e indicar outras outras modalidades e/ou atitudes frente o problema com drogas é ocupação do especialista desta modalidade.

Indicada por um Especialista, a internação deve ocupar um lugar específico na hierarquia de modalidades disponíveis.